Tipos de nota fiscal: entenda o que é PAF-ECF, SAT e NFC-e

Tipos de nota fiscal: entenda o que é PAF, ECF SAT e NFC-e
9 minutos para ler

A falta de emissão de notas fiscais resulta em sérios problemas ao empresário, por isso, você precisa conhecer todos os tópicos sobre esse assunto. Para agilizar a rotina fiscal em seu negócio, é fundamental saber as diferenças entre PAF-ECF, SAT e NFC-e, por exemplo. Também é de extrema importância entender as novas regras e regulamentos, a fim de atualizar seus processos em conjuntura com a lei.

Os empresários de Minas Gerais devem estar ainda mais atentos devido às modificações da NFC-e MG.

Deseja melhorar seu processo fiscal? Preparamos um artigo que explica tudo sobre a emissão de notas e as novas regras da NFC-e MG. Continue a leitura para aplicar esses conhecimentos em seu varejo!

Entenda o que é PAF-ECF

O Emissor de Cupom Fiscal (ECF) é caracterizado por uma impressora exclusiva para a emissão de cupons fiscais e possui um certificado digital próprio. Ele também é integrado ao Programa Aplicativo Fiscal (PAF-ECF) ou, até mesmo, a um software de gestão interligado ao PAF-ECF.

O ECF tem a capacidade de guardar em sua memória todos os cupons fiscais, assim como todas as imagens emitidas. Como consequência disso, ele sempre deve passar por processos de manutenções — que são realizadas por empresas credenciadas pelo fisco.

Vale lembrar que ele não precisa estar conectado à internet, pois os dados são guardados em sua memória. Toda a transferência de dados é responsabilidade do PAF-ECF ou do software de gestão utilizado.

Além disso, esse tipo de nota fiscal tem uma legislação própria. Com isso, o software tem várias rotinas que são exclusivas para atender às exigências do fisco, sem que isso beneficie o usuário.

Por exemplo, o PAF-ECF exige uma instalação local do banco de dados com informações redundantes. Por isso, o tamanho dessa solução é muito grande, o que pode atrapalhar o desempenho da máquina.

Entenda o que é SAT

A sigla SAT representa o Sistema Autenticador e Transmissor. Ela está em funcionamento desde novembro de 2014 e foi criada para documentar digitalmente todas as operações e arquivos do varejo. Esse equipamento é reconhecido pelo fisco e transmite as informações de venda da empresa para a Secretaria da Fazenda.

Ela vem substituindo o ECF, pois simplifica os trâmites legais dos tributos. Ademais, ela não precisa estar conectada à internet 24 horas por dia. Caso a conexão apresente falhas ou esteja inoperante por algum período, ela armazena os dados e os transmite assim que a conexão é restabelecida.

Para que tudo isso seja possível, ela funciona por meio de um programa de computador fornecido por uma empresa credenciada pela Secretaria da Fazenda. Não se esqueça que também é necessário o uso de um equipamento para a validação e autenticação do cupom fiscal.

Entenda o que é NFC-e

A Nota Fiscal do Consumidor Eletrônica (NFC-e) é um documento semelhante à Nota Fiscal Eletrônica (NF-e). Ela é utilizada para vendas ao consumidor final, sendo transmitida pelo estabelecimento para a Secretaria da Fazenda pela internet no momento da compra.

A gestão deve ter um certificado digital e respeitar as regras de contingência no caso de falta de conexão à internet. Seu principal benefício é o fato de não precisar instalar equipamento nenhum no local de trabalho, como é o caso dos outros tipos de nota fiscal.

Dessa forma, você pode utilizar qualquer impressora não fiscal, o que não exige autorização da Secretaria da Fazenda. Como as notas eletrônicas são documentos emitidos e armazenados digitalmente, o lojista não tem necessidade de imprimi-las. Além disso, você pode emiti-la de qualquer aparelho móvel, como celulares e tablets.

A NFC-e em Minas Gerais

Entender mais sobre a NFC-e é especialmente importante quando se trata de Minas Gerais. Recentemente, as regras fiscais do estado sofreram alterações. Durante o ano de 2019, se tornou obrigatório que varejistas adeptos do cupom fiscal emitam a NFC-e. A medida começou a valer a partir do início do ano, e as adaptações devem ser concluídas até 2020. Os varejistas do estado necessitam se atualizar, compreendendo maneiras eficientes de emitir NFC-e. Mas calma, vamos ajudar você a entender mais!

NFC-e MG e a resolução Nº 5.234

resolução N° 5.234, de 2019 define a obrigação de emitir NFC-e em operações no varejo no estado de Minas Gerais. Assim, vendas imediatas ou de entrega a domicílio devem vir acompanhadas de NFC-e, em substituição à Nota Fiscal de Venda a Consumidor (do modelo 2) e ao Cupom Fiscal. A medida descarta apenas empresas MEI, ou seja, de microempreendedores individuais.

A NFC-e visa se integrar ao padrão nacional de documentos fiscais emitidos de maneira eletrônica, a respeito da NF-e. Sua particularidade, no entanto, é o fato de estar adaptada às necessidades do varejo.

NFC-e MG e seus benefícios

As mudanças previstas agregam diversos benefícios — tanto para os varejistas, quanto para os consumidores. Embora a adaptação exija alguns esforços, há retorno para o negócio. Algumas das vantagens são:

  • dispensa a necessidade de utilizar uma impressora fiscal, reduzindo custos com a aquisição e manutenção do equipamento;
  • reduz significativamente os gastos com papéis, pois dispensa impressões (como dos antigos moldes);
  • os dados são transmitidos ao fisco com rapidez e sem grandes burocracias;
  • o varejista gasta menos tempo e recursos para armazenar documentos;
  • a impressão da NFC-e pode ser realizada a partir de qualquer dispositivo, como smartphones e tablets;
  • permite que o lojista expanda seus pontos de venda sem necessitar entrar em contato com o fisco.

NFC-e MG e como se adequar

O prazo definido para que os varejistas se enquadrem no novo cenário foi curto. Portanto, existem algumas ferramentas e atitudes que ajudam a agilizar as modificações e adaptações sem causar grandes problemas no dia a dia fiscal do negócio.

Adotar um software de automação pode ser a forma mais eficaz de realizar a nova operação. Com o auxílio da tecnologia, realizar a emissão de NFC-e se torna uma tarefa rápida e sem grandes complicações.

Os softwares se encarregam das principais tarefas, reduzindo erros no formato, no preenchimento e atrasos para entrega do documento. Dessa forma, o varejista adquire maior conforto e tranquilidade durante o período de adaptação.

Aprenda a escolher entre os tipos de nota fiscal

Escolher o melhor tipo de nota fiscal para o seu negócio é uma tarefa complicada. Por isso, é muito importante conhecer as vantagens e desvantagens de cada uma delas. As obrigações fiscais de cada estabelecimento devem ser consideradas de acordo com o ramo e as necessidades da empresa. Existem algumas questões que precisam ser ponderadas nesse momento, veja abaixo!

As obrigações fiscais

Antes de realizar qualquer opção equivocada, consulte o seu contador ou, até mesmo, os órgãos competentes para tirar dúvidas. As exigências quanto ao documento fiscal podem ser diferentes dependendo do tipo e do porte do seu negócio.

Independentemente da opção mais confortável, a falta de documentação do tipo adequado pode gerar problemas. Portanto, tenha certeza dos documentos que o seu varejo precisa enviar ao fisco e utilize-os em sua rotina administrativa.

Os tipos mais atuais

O ECF é um sistema que vem sendo substituído pois não é eletrônico e não oferece a segurança necessária. Além disso, ele aumenta o tempo para que a informação chegue até a Secretaria da Fazenda. Portanto, não vale a pena investir em uma opção que logo estará em desuso.

É preciso lembrar que as novidades e tecnologias no ramo da emissão fiscal tem como propósito facilitar a vida do empresário. Além disso, as opções mais novas permitem uma sincronização rápida com o fisco, melhorando a relação entre a empresa e o órgão de fiscalização.

Conheça a importância de um software de gestão fiscal

De qualquer forma, trabalhar em conjunto com um software de gestão fiscal ajuda do momento de trabalhar com notas. Um sistema de qualidade está sempre atualizado às legislações existentes. Algumas soluções já apresentam o armazenamento de dados na nuvem, o que dinamiza a sua rotina de trabalho e permite a análise de documentos a qualquer hora e lugar.

A segurança também é outra questão muito importante que o programa garante. Algumas pessoas acreditam que o armazenamento de dados na nuvem é prejudicial, pois deixa os dados da empresa expostos. Na verdade, essa função executa várias cópias de um mesmo arquivo e as armazena em inúmeros servidores. Com isso, caso uma delas dê problema, você não perderá informação nenhuma.

É válido lembrar que esse tipo de solução — assim como toda tecnologia — passa por constantes transformações e adaptações. Assim, você conta um serviço que é sempre atualizado e que está de acordo com as expectativas dos consumidores. Quando falamos de um sistema de qualidade, existe ainda a vantagem de ele ser voltado para as necessidades do seu negócio.

Se adequar à NFC-e MG deve ser entendido como uma otimização para o negócio. A medida agrega agilidade e maior regularidade aos varejistas de Minas Gerais. É preciso incorporar a nova regra em sua empresa para reduzir custos, operar dentro da legalidade e ganhar eficiência fiscal e operacional. Como consequência, lojistas, órgãos de fiscalização e consumidores saem ganhando.

Nosso artigo trouxe informações úteis para melhorar a gestão fiscal do seu varejo? Deseja receber informações que auxiliem sua administração? Assine nossa newsletter, trabalhamos para agregar positivamente o seu negócio!

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-