O que é e para que serve a margem bruta?

Para que a empresa não sofra prejuízos financeiros, é importante que o gestor conheça uma série de conceitos. Na hora de calcular preços e lucros, é importante levar em consideração conceitos como margem bruta e margem líquida, por exemplo.

Neste post, vamos abordar o conceito de margem bruta e outros relacionados a ela. Se você ainda tem alguma dúvida sobre o assunto, aproveite a leitura para tirá-la!

O conceito de margem bruta

A margem bruta é o índice que informa objetivamente o quanto a empresa está ganhando com a venda de seus produtos. A margem bruta serve para medir a rentabilidade da empresa. Assim, ela mede o quanto a organização garante com cada venda efetuada, o percentual de lucro bruto.

Por exemplo, se uma empresa vende um item por R$ 50,00, mas tem um custo direto de R$ 20,00 para repô-lo no ponto de venda, seu lucro bruto é de R$ 30,00 e sua margem bruta é de 60%.

As vantagens de calcular a margem bruta

Já que se refere diretamente à lucratividade da empresa, o cálculo da margem bruta é importante. Um dos benefícios propiciados por esse cálculo é que ele permite que o gestor identifique produtos que possuem margem bruta menor que outro produto — o que leva a considerar a possibilidade de elaborar novas estratégias.

Não quer dizer que o gestor deve dar prioridade a produtos com margem bruta mais alta, mas que é importante compreender o que, de fato, favorece a sua empresa: uma margem bruta maior ou uma quantidade maior de vendas (mesmo que o lucro das mercadorias vendidas seja menor).

Quando se está interessado em abrir novos canais de comercialização, muitas vezes, é preciso deixar de lado uma margem bruta muito significativa em prol de um volume maior de vendas e/ou de divulgação mais ampla.

Outra vantagem em calcular a margem bruta é que ela é um fator importante na hora de precificar as mercadorias. Caso a margem bruta seja muito baixa, a margem líquida será menor ainda, o que significa que é preciso tomar cuidado para não ter prejuízo. Muitas vezes, o cálculo da margem bruta ajuda a repensar uma precificação mal feita.

Outro benefício da margem bruta é que ela permite que o gestor avalie melhor os gastos que está tendo com seus produtos. Para o cálculo desse índice, é necessário considerar o lucro bruto. Para calcular o lucro bruto, por sua vez, é preciso levar em conta os custos envolvidos diretamente na produção/aquisição dele.

Como a margem bruta é expressa em porcentagem, o gestor poderá ter uma noção mais precisa se é vantajoso, ou não, manter o produto, considerando seus custos, o lucro obtido e/ou o volume de vendas.

Caso os custos sejam altos demais e a margem bruta do produto não compense, talvez seja melhor procurar um fornecedor com preços melhores, um produto alternativo, ou até deixar de vender essa mercadoria. Existe também a opção de aumentar o preço de venda, mas é preciso avaliar se essa estratégia não repercutirá negativamente no relacionamento com o cliente.

A definição de margem líquida

A margem líquida é o percentual de lucro líquido que a empresa tem com a venda de um produto. O lucro líquido é o que sobra para a empresa depois que uma venda é realizada e são pagas todas as despesas e impostos.

Aproveitando o exemplo citado acima, digamos que, dos R$ 30,00 de lucro bruto, a empresa ainda gasta R$ 15,00 com despesas. O lucro líquido é, portanto, de R$ 15,00 e a margem líquida corresponde a 30%.

A cada produto vendido por R$ 50,00, a empresa tem um lucro líquido de R$ 15,00. Se ela vender 100 desses produtos (R$ 5.000,00), terá um lucro líquido de R$ 1.500,00 e a mesma margem líquida de 30%. Isso mostra que os percentuais de margens bruta e líquida permanecem os mesmos, independentemente do volume de vendas. Mas o lucro aumenta com a quantidade de transações efetuadas.

Por serem valores fixos, as margens ajudam a avaliar com mais precisão o panorama financeiro da empresa em relação à lucratividade do negócio, contribuindo na hora de tomar decisões mais bem direcionadas.

Fórmula: margem líquida = lucro líquido / receita.

A margem de contribuição

Outro conceito é o de margem de contribuição, que indica o total que uma empresa pode produzir de recursos a fim de pagar os gastos fixos das mercadorias e, ainda assim, obter lucro. A margem de contribuição ajuda a diferenciar melhor os gastos fixos dos variáveis.

Fórmula: margem de contribuição = preço – gastos variáveis (diretos) da venda.

O cálculo da margem bruta

Para calcular a margem bruta, existe uma fórmula básica, em que entram as seguintes variáveis:

  • Lucro bruto: obtido depois de retirar os custos diretos dos produtos;
  • Receita total.

A fórmula é: margem bruta = (lucro bruto / receita) x 100 ou MB = (LB / RT) x 100.

Veja um exemplo real de cálculo da margem bruta de uma empresa.  No terceiro trimestre do ano de 2011, as demonstrações contábeis da Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) ofereceram o seguinte resultado:

  • Receita de Venda de Bens e/ou Serviços: R$ 2.591.262;
  • Custos dos Bens e/ou Serviços Vendidos: R$ 1.634.513;
  • Resultado Bruto: R$ 956.749.

O resultado bruto equivale ao lucro bruto. Calculando a margem bruta, temos: MB = (956.749 / 2.591.262) x 100. Assim, a margem bruta da Sabesp naquele período foi de 36,92%, ou seja, para cada R$ 1,00 de venda ou prestação de serviços, a empresa obtinha um lucro bruto de R$ 0,37.

Outra fórmula que pode ser usada é: margem bruta = (preço – custo de aquisição) / preço x 100. No exemplo dado logo no começo do artigo, temos que: MB = (50 – 20 / 50) x 100. Assim, a margem bruta é de 60%, como já foi visto.

Os cuidados com a margem bruta

Em empresas de certos segmentos, como o elétrico, por exemplo, pode não ser viável calcular a margem bruta. A margem bruta pode variar de acordo com o tipo de empresa: no varejo, por exemplo, uma MB superior a 40% é alta, mas, no setor de serviços, esse percentual pode não ser tão relevante, sendo relativo ao total na receita.

Ela também depende do modo como são apurados os gastos. Acompanhando esses critérios de apuração, a MB pode sofrer mudanças. Convém lembrar que as empresas não gostam de divulgar muitos detalhes sobre seus gastos.

Há uma relação entre a margem bruta e o mark-up (MB dividida pela participação do CMV, o custo da mercadoria vendida, envolvendo gastos fixos e variáveis). Pode-se também usar a relação: MB = mark-up / (1 + mark-up).

Qual sua opinião sobre a margem bruta? Que vantagens e limitações você encontra nesse conceito? Faça seu comentário aqui no post!

materiais-gratuitos-gestao-fiscal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This