leitor de código de barras

Como funciona o leitor de código de barras?

Você já se perguntou sobre como o leitor de código de barras funciona? Quando foi criado? Quais são as principais vantagens de sua implementação nos estabelecimentos comerciais? Se a resposta é sim, então, você está no post certo!

Embora essa pequena tecnológica pareça, de certo modo, bastante simples, ela traz uma gama enorme de possibilidades para o controle das mercadorias, auxiliando nos fluxos de entrada e saída dos estoques, no atendimento direto e até no rastreamento das distribuidoras ao longo de toda a cadeia produtiva.

Então, fique conosco e conheça mais sobre esse recurso de grande ajuda na gestão de lojas, supermercados, padarias, restaurantes, drogarias e demais estabelecimentos. Acompanhe!

Origem

As primeiras tentativas de inclusão do código de barras são datadas em 1948, quando o engenheiro americano Joseph Woodland havia desenvolvido um design circular escaneável  — e não no formato retangular como conhecemos hoje em dia — contendo todos os dados numéricos de identificação dos produtos para que pudessem ser decodificados rapidamente.

No entanto, somente em 1973, essa ferramenta começou a ser difundida após um grupo de empresários norte-americanos donos de supermercados terem buscado por maneiras de conseguir otimizar as vendas.

Desse modo, diante da necessidade crescente de um sistema ágil e seguro de controle das mercadorias no varejo, altos investimentos foram depositados, nascendo-se, em pouco tempo, sistemas de codificação muito próximos dos que existem hoje em dia.

Normas de regulamentação

Durante essa progressão, engenheiros e executivos pensavam em um meio que impedisse a emissão de códigos de barras idênticos para que cada produto detivesse uma identificação única. Nesse sentido, depois de muitas mudanças, a GS1 consolidou-se como a maior organização mundial sem fins lucrativos responsável por esses identificadores dentro de padrões de uniformização mundiais.

Assim, atualmente, existem oito tipos de códigos de barra aplicáveis em contextos diversos, como venda no varejo, transporte de carga etc., sendo que esse organismo global, atuante em 150 países, viabiliza a execução diária de mais de 6 bilhões de transações entre as empresas de todos os segmentos, sem duplicidade ou erros digitais.

O mais surpreendente é que não há rígidas regulamentações governamentais sobre o código de barra. Isso porque grande parte do que se é praticado no mercado no tocante a esses identificadores desenvolveu-se ao longo dos anos por meio de ajustes e adequações mercantis, tendo como principal fiscalizador o GS1.

Funcionalidade do leitor de código de barras

A leitura do código de barras é realizada em uma fração de segundos — o que provoca em muitos a ligeira impressão de que toda a tecnologia é bastante simplista.

Contudo, o que está por trás desse processamento de dados, na verdade, envolve uma gama de numerários em formato digital, que são lidos e transferidos para um computador local. A partir disso, as informações sobre o produto escaneado são confirmadas ou recursadas pelo banco de dados retido pelos estabelecimentos.

A forma como essa leitura acontece pode depender do tipo de leitor adquirido pela loja. Assim, por exemplo, os dispositivos com laser coletam os numerários contidos no código de barras por meio da reflexão dessa luz artificial. Assim, logo que colocado contra o código, o feixe é absorvido pelas barras escuras e refletido pelos espaçamentos brancos.

Desse modo, o sistema do leitor é capaz de converter a iluminação captada (sinais analógicos) em código binário (linguagem computacional). Isso porque a absorção da luz nos traços pretos é entendida pela máquina como número um e a reflexão como zero.

Já os leitores CCD (Charge Coupled Device ou, em português, Dispositivo de Carga Acoplada) são constituídos por centenas de micro sensores internos que, ao contrário da tecnologia a laser, não emitem luz própria. A grande vantagem do CCB está no seu preço praticado no mercado que, muitas vezes, é mais barato.

Vantagens no varejo

implantação de sistemas de automação no varejo influi, inegavelmente, nos fluxos de trabalho, diante da agilidade maior na realização das atividades mecânicas, quando comparado aos trabalhos desempenhados manualmente.

Da mesma forma, a inclusão do leitor de código de barras apresenta uma série de benefícios às empresas, em especial, nos setores de atendimento direto ao público e de controle de estoques. Entenda!

Redução dos riscos de erro manual

Como a leitura é feita em milésimos de segundo, os registros dos produtos tanto de entrada, quanto de saída dispensam a digitação pelos colaboradores de uma série absurda de números. Isso, sem dúvidas, elimina as chances de erros manuais que possam causar problemas na gestão e, em última instância, nos faturamentos finais das empresas.

Agilidade no fluxo de vendas

Além da segurança no controle dessas transações comerciais, os leitores também viabilizam a conclusão dos fluxos de trabalho com mais agilidade. Basta que os códigos sejam rapidamente dispostos contra o laser e, imediatamente, o sistema realiza a coleta de todos os dados, como tipo de mercadoria, lote, vencimento, preço etc.

Redução de filas e reclamações

Em consequência disso, os atendimentos nos caixas tornam-se mais eficientes, reduzindo-se o número de filas e o tempo de espera dos clientes. Por esse motivo, a aquisição de leitores é, também, uma medida estratégica para a diminuição das reclamações pertinentes à demora na finalização das compras.

Maior controle operacional

As mercadorias recebidas por fornecedores são centro de muita atenção, na medida em que um simples descontrole pode ocasionar altos prejuízos para as empresas. Por isso, a captação ágil e segura desses dados por meio de leitores de código de barras facilita a identificação de cada um dos produtos de entrada no estabelecimento e, até mesmo, a constatação de eventuais irregularidades sobre qualidade e tributação.

Leitores Laser e CCD

Agora que você já conhece a origem, o modo de funcionamento e as principais vantagens dessa tecnologia, provavelmente, está se perguntando qual leitor seria o ideal para o seu estabelecimento comercial, certo?

Porém, a verdade é que a melhor escolha somente pode ser tomada após a consideração de alguns fatores, como orçamento disponível e real usabilidade do dispositivo entre os colaboradores.

Por isso, é importante começar, desde já, a analisar as características de cada um dos leitores ofertados no mercado e conferir bem de perto quais podem atender da melhor forma as necessidades e limitações da sua empresa. A Oriontec, por exemplo, disponibiliza uma série de produtos, como CCD Bematech BR-400 e laser Bematech S-500, adequados para contextos empresariais diversos.

Portanto, o código de barras é uma das ferramentas tecnológicas mais presentes no mercado varejista, diante de sua facilidade na identificação das mercadorias de entrada e saída dos estabelecimentos. Para isso, a aquisição de leitores CCD ou laser é fundamental, visto que viabiliza a coleta dessas informações com mais agilidade e segurança.

Achou interessante este artigo sobre o leitor de código de barras? Então, assine nossa newsletter e confira as principais notícias pertinentes à tecnologia no varejo.

materiais-gratuitos-gestao-fiscal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This